RELEMBRANDO

FAMÍLIA GRAMADENSE

Em 1965, Jorge Magnus chegou em Gramado para administrar a farmácia do senhor Benno Ruschel. “Ele apresentou-me o clube. Na época o presidente era o senhor Maury Pasqual, grande amigo da juventude, tinha uma postura especial de proteção aos jovens. Lembro-me dele na porta, cumprimentando, recebendo a gente na chegada das festas. Na saída, sempre despedia-se com um abraço. Domingos a tarde na sacada da Recreio os jovens encontravam-se para ouvir músicas em toca fitas de caixinha, tomar refri e às vezes Cuba. O clube primava pela disciplina e comportamento e a diretoria cuidava para que não houvesse baderna. Caso alguém passasse dos limites, levava advertência e até suspensões”.    Aniversário de 15 Anos Maria Delourdes Sbabo. Acervo pessoal   Marli Drecksler, Fátima Cardoso, Maria Delourdes, Margaret Dal Ri. Acervo pessoal   Conheceu sua esposa Maria Delourdes, filha do associado senhor Miguel Sbabo. Ela comemorou 15 anos e debutou na Recreio também. Administrou o Departamento de Promoções no intuito de movimentar o clube.  “Fundamos o bloco de carnaval Crentes da Folia. Era um bloco exuberante! Representamos a Sociedade Recreio Gramadense com uma linda apresentação no clube XV de Novembro, em Campo Bom, o top da sociedade carnavalesca naquela época. Mas o baile de carnaval mais frequentado da Serra Gaúcha era na Recreio. Os blocos ganhavam um final de semana para cada um administrar as bilheterias da boate e angariar fundos, produzir fantasias e investir nos blocos para dar mais brilho ao carnaval”.   Miguel Sbabo e Maria Delourdes Sbabo, Baile de Debutantes, 1965. Acervo pessoal   Baile de Debutantes, 1965. Acervo pessoal   Na fria manhã de 18 de agosto de 1968, foi fundado o Orbis Clube de Gramado. “Por solicitação do amigo gramadense Luiz Prezzi do Orbis de Sapiranga, Clarindo convidou a mim e alguns amigos para uma reunião na Recreio. Quando chegamos, estavam o prefeito, senhor Bepe Perine, presidente Rugart Volk, entre outras autoridades. No seio da sociedade Gramadense, surgiu o Orbis Clube de Gramado que presta serviço social, amparo aos carentes e estímulo da família contribuindo com o poder público às atividades voltadas para comunidade até hoje” registra.   Casamento Jorge e Ludi, 1969. Acervo pessoal   Recém casados Jorge e Ludi na escadaria da Recreio, 1969. Acervo pessoal   Casamento Jorge e Ludi, 1969. Acervo pessoal   Jorge e Ludi casaram-se em 12 de julho de 1969. “Na época eu trabalhava na Ortopé com Horst, Rugart e Tino Volk. Convidamos mais de 200 pessoas. A comunicação não era tão simples, mas pedi que avisassem um grande amigo que recentemente estava morando nos Estados Unidos. Lembrar da presença do Dinda que veio especialmente de Nova Iorque e nossa eterna amiga Cleusa que sempre esteve conosco, emociona. Fizemos uma festa linda! No mesmo ano, fomos convidados por seu Adail e Dona Zari, Raul e Presilla para participarmos do Bloco dos Velhinhos e nos divertimos juntos por 25 anos”,  conta.   Tradicional foto de casamento na entrada da Recreio, 1969. Acervo pessoal   Mister Suéter, relembra as modas ditadas pelas malharias que se esmeravam para se destacar na vitrine do Baile do Suéter. “Foi uma grande preparação! Marlene, minha cunhada produziu o meu modelo com a supervisão da minha sogra a dona Hortênsia Sbabo e eu fui o campeão! Aqui tivemos a oportunidade de assistir a shows do Agnaldo Rayol e Angela Maria. Momentos espetaculares! Mas, na minha opinião o baile de Debutantes foi o grande charme da Recreio. Uma festa maravilhosa, com muito respeito e carinho. Minha filha Morgana debutou aqui”.   Alexandre, Morgana, Ludi e Jorge Magnus, Baile de Debutantes, 1985. Acervo pessoal  Casal unido em solidariedade. Foto: Divulgação Orbis Clube de Gramado   Jorge Magnus atuou na administração da cidade passando pela Câmara, diretoria de parques, praças e esportes e continua contribuindo com a comunidade. “Acompanho o desenvolvimento de Gramado há muitos anos. O progresso acarretou em algumas mudanças, mas acolhimento e receptividade do nosso povo se mantiveram. A Sociedade Recreio Gramadense tem esta mesma marca registrada”.        APOIO:        

ATUALIZANDO

REVISTA DA RECREIO

Estamos finalizando o primeiro semestre de 2020 e o ano que era para ser incrível repentinamente nos surpreendeu.   Festival da Música   Lições para nossas famílias, nossos negócios, nossa sociedade em geral. Tudo aquilo que fora planejado precisou ser repensado ou adiado.   Casamento Gabriel Swaizer e Daiana Wingert Tissot   A velocidade a qual estavamos acostumados foi forçadamente freada. Fomos obrigados a nos enxergar. E agora, amigo leitor? Como será o final desta jornada?    Casamento Paula Ferreira e Diego Cavalli   Esta publicação que fazemos a cada aniversário do Clube atrasou alguns meses, mas vai servir pra relembrarmos os bons momentos que vivemos em 2019.   Chá da Solidariedade   Foram festas, comemorações e muitos sorrisos. Os momentos de felicidade devem ser eternizados e aqui fica o registro do que passou, do espirito que queremos ainda para 2020.   Aniversário 15 anos Sofia Viezzer Bérgamo   O ano ainda não acabou, temos o segundo semestre de superação para encarar. Da Recreio você pode esperar por muitas novidades. Estamos finalizando grandes obras fisicas e digitais que serão um marco em nossa história. Fique por dentro do que aconteceu e nos acompanhe semanalmente nas nossas redes sociais. Forte abraço e boa leitura.   Ike Koetz Presidência Recreio GramadenseGestão 2018 a 2020  

RELEMBRANDO

PAI E FILHA

A nossa Conselheira Vania Regina Oliveira, em 1967, ganhou o concurso de carnaval vestida de baiana. “Sensação incrível ser o destaque infantil. As fantasias eram muito elaboradas e esse momento gerava grande expectativa” relembra. “A Recreio bate com a história do município. É o início de tudo. A cidade começou com a igreja, a praça e o clube. O título da Recreio era muito desejado. Quem chegava para morar aqui fazia questão de se apresentar como sócio”.   Premiação Concurso de Fantasias Carnaval Infantil Recreio Gramadense, 1967. Foto Acervo Pessoal   “Minha irmã tocou no clube de gaita, mas as minhas maiores lembranças são a partir do ano em que o meu pai foi presidente”, conta. O senhor Elli Soares de Oliveira, foi um dos fundadores do bloco dos Velhinhos e sua gestão foi de 1975 a 1977. “Meu pai se engajou na sociedade através da Recreio. Ele se sentia muito bem aqui dentro. Contribuiu com a visão de um clube social, para a união de uma população. Na Recreio sempre houve neutralidade, um clube apolítico de verdade. Todo mundo falava a mesma língua independente das desavenças partidárias, exceto quando a justiça eleitoral acontecia aqui dentro, nos escrutínios”. Sr. Elli foi político, presidente da Arena e fiscal por muitos anos. “Sabia-se quem votava em cada urna e na medida em que a apuração evoluía do meio pra diante, já se tinha nítida noção do resultado. Tem uma cena que eu lembro quando ele fez uma aposta e ganhou uma boa grana! O resultado alcançou uma diferença de 3 mil e poucos votos”, recorda.  Conta que seu pai gostava de jogar cartas, uma distração aos sábados e domingos. “No andar superior havia sala de jogos e éramos proibidas de entrar. Jogavam valendo dinheiro”. O jogo já era proibido naquela época, como nos dias de hoje, também nos cassinos.  Lembra-se que a Dona Áurea, sua mãe adorava os ensaios de carnaval no ambiente do bolão, mas não gostava dos eventos sociais, nem políticos. “Na ocasião em que o meu pai era presidente ela foi obrigada a vir no Baile de Debutantes e me trouxeram junto. Eu era criança e não podia participar. Mas, havia uma janelinha na parte de cima onde montavam uma área para as debutantes surgirem. Por ali fiquei espiando o baile todo”.    Com amigos no Carnaval da Sociedade Recreio Gramadense. Foto Acervo Pessoal   Aos quatorze anos frequentava os bailes de Carnaval. “Era o melhor carnaval e o único que meu pai permitia! Lembro do Bloco dos Monarcas. Lindíssimo! Não esqueço as costureiras produzindo as fantasias na garagem da casa da dona Hermida.  Figurinos de muito bom gosto, nível de carnaval do Rio de Janeiro. Brilho fantástico, descomunal, com detalhes e acabamento impecáveis”.     Debutantes Sociedade Recreio Gramadense, 1978. Foto Acervo Pessoal    Áurea e Elli Oliveira com a filha Vania, debutante na Sociedade Recreio Gramadense, 1978. Foto Acervo Pessoal    Debutante em 1978, lembra que “Sílvia Zorzanello e Dudi Ribeiro, referências em termos de comportamento social ministraram o nosso curso. Tania Carvalho, amiga delas, palestrou sobre etiqueta social. A Silvia foi o estereótipo de mulher bonita, talentosa, bem sucedida, bem vestida, educada, sociável e muito boa pessoa”, comenta.       Conselheira Vania Regina Oliveira, Projeto Relembrando Recreio Gramadense, 2019. Foto S.R.G   Vania é atuante na diretoria da Recreio desde 1989 e assim como seu pai, contribui com a missão do clube de unir as pessoas. Acompanhou o Projeto Recreio 2000, desde os estudos para a fusão da Recreio ao Tênis, o planejamento e a decisão corajosa de desmontar o clube para construir um novo. “Criamos a comissão da obra. Até 2001 quando reinauguramos foram anos difíceis. Havia o descrédito de que não seria possível concluir a obra nova. Eu acredito que se não tivesse sido realizada essa reforma, hoje não existiria o clube aqui. A condição sustentável veio através dos aluguéis de espaços. Com o passar dos anos, alcançamos um grande número de sócios remidos e poucos pagantes. É muito gratificante ter feito parte desta conquista, com tanta gente que trabalhou duro para que acontecesse. Foi uma grande iniciativa. O pai ajudou o Coletto na parte financeira e vistoriava a obra. O mais importante foi cumprir o acordo que fizemos em desmontar o clube e refazê-lo, enfrentando inúmeros desafios e imprevistos que colocavam em dúvida, por muitas vezes, se teríamos sucesso nessa empreitada. Conseguimos unir a cidade em uma mesma vontade”.        APOIO:      

RELEMBRANDO

A CASA MÃE DE GRAMADO

Entre 1977 e 1979, o senhor Eddi Oaigen assumiu a presidência da Sociedade Recreio Gramadense. Naquela época, Nelson Dinnebier era prefeito e o Festival de Cinema na sua 4ª edição, um destaque nacional. Ao lado da Dona Beracy, o casal Rotariano ativo por muitos anos, expressa um imenso carinho por Gramado e pela Recreio.   Eddi e Beracy Oaigen, 90 anos Sociedade Recreio Gramadense. Foto Acervo Pessoal   “Eu sou Cachoeirense e me apaixonei por Gramado desde o primeiro dia em que estive aqui. Chegamos aqui, setenta anos atrás, recém-casados! Éramos nós dois e hoje somos mais de vinte”, diz o senhor Eddi contando que todos os seus filhos e netos nasceram em Gramado. Dona Beracy voltando ao ano de 1949 relembra: “trabalhávamos juntos em Cachoeira. Os dois no mesmo ofício: tipógrafos. Fomos contratados pelo Professor Hahn, que era proprietário da tipografia e da imprensa de Gramado. O Eddi veio uma semana antes, Gramado era uma coisinha de nada, o 5º Distrito de Taquara e hoje é orgulho da gente! No início foi um pouco difícil, mas muito bom! Fomos bem recebidos e fizemos muitas amizades. O convívio na Recreio foi maravilhoso: o ponto de encontro de reuniões sadias”!   Eddi com a filha Sonia Oaigen, Iraci Casagrande. 95 anos Sociedade Recreio Gramadense. Foto Acervo Pessoal   A família Oaigen sempre participou ativamente da sociedade, com muita dedicação aos eventos no clube. E eles contam, que projetaram seus filhos na Recreio pois o clube sempre recebeu seu povo com atenção. “As noites de terças feiras no bolão eram sagradas. O seio da família Gramadense. A união de diversos grupos de amigos. Nesses encontros trocavam-se ideias e fortaleciam valores. Admiro muito Gramado pela maneira que cresceu, pelo seu povo que sempre amou esta cidade”. Sr. Eddi, se refere a Recreio como A CASA MÃE DE GRAMADO. “As pessoas cresceram nesse lugar que é nosso esteio. Foi onde se formou nossa sociedade, onde se educou boa parte da mocidade, com tantos princípios. É acolhedora, como nosso povo, sintonizado com o turismo”.   Adail Castilhos, Beracy Oaigen, Inês Masotti e Eddi Oaigen. Velhinhos Transviados, 1970. Foto Acervo Pessoal   Beracy Oaigen, Hugo Daros, Eddi Oaigen, Lauri e Alex Lages, 1974. Foto Acervo Pessoal   Eddi Oaigen foi gerente da Caixa Econômica Estadual e presidente da 7ª Festa das Hortênsias. “É uma história que Gramado se orgulha, pois dessa flor brotou tudo o que há hoje. O alemão Oscar Knorr foi o grande cultivador das hortênsias que existem até hoje lá no alto do Parque Knorr. Era alegre, educado, sempre de bem com a vida. O pessoal brincava que ele era um alemão diferente. Um amigo muito guerreiro que lutava pela comunidade”.   Paulo Roberto Oaigen, Eddi Oaigen e Caio Tomazelli, 1977. Foto Acervo Pessoal   Segundo Dona Beracy, “assim que anunciada a data de algum baile, as mulheres se reuniam para colaborar de qualquer maneira, na ornamentação. E em tudo a gente sempre tinha uma participação. O ponto chave dos bailes eram alegria e felicidade nos encontros. No Baile da Pelúcia, usávamos longo e o salão ficava com um colorido muito bonito, com vestidos estampados e outros lisos. Nas festas a gente conversava muito, mas muitas vezes ficávamos para trás e os homens tomavam conta do assunto. As orquestras que vinham de fora eram maravilhosas e o conjunto do Almiro Drechsler um sucesso. Mas tudo muda, e hoje os nossos filhos aproveitam”. Sobre baile de debutantes ela diz: “Todas as minhas filhas debutaram aqui. Inclusive trouxemos duas sobrinhas de fora para participarem. A gente fazia muita propaganda de Gramado e o pessoal que vinha de Cachoeira se encantava com a natureza da cidade”. Diretoria em 1977: Caio Tomazelli, Ivo Sippel, Luia Barbacovi, Eddi Oaigen, Clarindo Tissot, Carmo Henzel, Lauri Arnold. Foto Acervo Pessoal   Na gestão de Eddi Oaigen a Recreio recebeu grandes festas do Festival de Cinema, bailes da Fearte e foi nesta época a inauguração do famoso Bar da Sacada. “Gramado invadiu nossos corações de uma maneira que quando chegamos aqui não imaginamos sair mais. Eu sempre fiz amizades com facilidade e graças a Deus, acho que nunca decepcionei ninguém! Assim a gente vive a vida. Às vezes é um pouco dura, mas só não é maravilhosa para quem não quer. Tudo depende de cada um. Um automóvel anda na velocidade alta, baixa ou média, depende do motorista. Nós dirigimos a nossa vida, que é boa e muito bela”.      APOIO:          

RELEMBRANDO

A VIDA É UM CICLO

Neta, filha, mãe e avó. Maria Helena Ruschel Michaelsen, ilustra a vida de uma família intensa no clube, referência para gerações que viveram momentos de alegria na Recreio.   “No início em 1915, o meu avô foi o um dos entusiasmados, o primeiro presidente. Juntamente com minha avó que veio de São Leopoldo recebiam os associados, ensinando hábitos de etiqueta. Participei desde pequena, minha família trouxe esta tradição. Eu acredito realmente que todos os grandes eventos da minha vida foram aqui neste lugar que sempre nos acolheu bem”. A vida social iniciou com os bailes infantis de carnaval. “Minha mãe fazia minhas fantasias e eu participava dos concursos”, conta. Recorda-se com muito carinho da apresentação individual no palco com a professora Helena Jungblud na formatura de acordeon da Academia Musical Verdi.    Volta ao Mundo em 60 minutos, Sociedade Recreio Gramadense. Foto Acervo Pessoal   Aos 11 anos, formatura de Acordeon da Academia Musical Verdi. Foto Acervo Pessoal   Brotos do Enfesa, 1965. Foto Acervo Pessoal   Seguindo as lembranças de menina conta sobre a expectativa para encontrar amigos no segundo andar do clube. “Dançávamos ao som de disco de vinil, músicas italianas como Pepino di Capri, Sérgio Endrigo. Aniversários de quinze anos de amigas minhas também foram feitos aqui. Uma festa linda que especialmente me marcou foi a da Sonia Oaigen. Meu atual marido me tirou para dançar e eu comecei a me interessar por ele. Naquela noite ele encostou o rosto dele no meu. Um gesto muito celebrado pois não era muito normal, apenas nos casos em que havia algum encontro de almas... neste nível”. Anos depois o casal recebeu aqui seus amigos e família na festa de casamento.    Casamento Maria Helena e Romeu Michaelsen. Foto Acervo Pessoal   A sua apresentação no clube, para a sociedade, aconteceu no Baile de Debutantes em 1971. "A partir daí comecei a frequentar eventos à noite. Passei a vir em todos os bailes... talvez o que mais nostalgia me traz! Bailes lindos onde eram contratadas grandes orquestras. Dançávamos ao som de Norberto Baldoff, Cassino de Santa Cruz”. Ocasião especial para as meninas devido ao preparo em salões de beleza e programação de penteados e vestidos, além da escolha antecipada da mesa para participar do baile. “Procurávamos situar no mapa para sentar próximas aos amigos, mas, sempre acompanhadas pela família”, diz.     Baile de Debutantes Sociedade Recreio Gramadense, 1965. Foto Acervo Pessoal   A família foi destaque em alguns bailes como no Baile do Suéter quando Branca foi escolhida Rainha. “Lembro-me quando a minha irmã Isa, foi eleita Rainha da Sociedade Recreio Gramadense”.  Oportunamente em um dos aniversários do clube, homenagearam todas as Rainhas e com um bolo muito grande. “O salão ficou escurecido e todas as rainhas que tinham sido do clube adentraram empurrando o bolo com muitas velas. Uma delas que também participou desta ocasião, foi a minha tia Iria Schlieper, que tinha sido a primeira Rainha do Clube. Filha do Leopoldo Lied, meu avô. Foi muito emocionante”, relembra.   Miss Suéter Maria Helena Ruschel Michaelsen, 1969. Foto Acervo Pessoal   Outros bailes que impactaram esta geração foram os Bailes de Carnaval de Salão, com grandes blocos e muita rivalidade nos concursos. O lado positivo foi que cada um procurava dar o melhor de si. Fantasias muito bem elaboradas, inclusive com coreografias. Eleita a Rainha do Carnaval, recorda-se do ano que desfilou com Crentes da Folia fantasiados de gregos. “Havia uma alegoria com uma liteira, uma espécie de carruagem, onde eram levadas as rainhas conduzidas por quatro escravos. Conduziram-me até o centro do salão que estava escurecido e então acenderam todas as luzes e quando desci, começou a batucada. Um verdadeiro teatro. Blocos de cidades próximas eram muito esperados, pois vinham meninos de outras cidades pular carnaval em Gramado. Inclusive algumas meninas de Gramado chegaram até a casar, com esses componentes de blocos de outros lugares. Lembro da mãe, quando ia nos buscar, na saída do clube, sempre com casacos de inverno, por que era muito frio, temperaturas baixas mesmo”, conta.   Rainha do Carnaval. Foto Acervo Pessoal   Crentes da Folia. Foto Acervo Pessoal   Crentes da Folia. Foto Acervo Pessoal   No Baile das Hortênsias, em 1971 Maria Helena foi coroada a princesa das hortênsias. “Houve show com Benito de Paula. Artistas de nível nacional participaram do baile. Glamour maravilhoso, com rainhas de todo o estado, misses, rainhas de piscinas, outras beldades e artistas convidados. As decorações do salão, uma atração à parte em que a comunidade toda se envolvia. Às festas de Reveillon também de muito requinte com orquestras maravilhosas e esmero em vir bem vestido”.   Princesa das Hortênsias, Maria Helena Ruschel Michaelsen, 1971. Foto Acervo Pessoal   A lembrança do baile dos anos 60 com todos caracterizados com roupas da época, “amigos que não se viam há muitos anos, vieram a Gramado para esse evento. Nesse baile a rainha foi eleita como era antigamente, por compra de votos. Minha amiga Mafalda, teve o maior número de votos. A Sílvia querida, minha amiga do coração e eu, fomos escolhidas também representantes desse baile maravilhoso onde reencontramos muitos amigos de época”. O baile de debutantes com a Gabriela sua filha, foi outro momento muito especial. "Pude acompanhar e traze-la para participar da sociedade de Gramado, onde fez amigas que convive até hoje. Depois disso minha filha também participou de inúmeros eventos sociais aqui, inclusive sua festa de casamento. A vida é realmente um ciclo. Continuo a frequentar o clube da mesma maneira como iniciei no carnaval infantil, mas agora eu trago a minha neta para participar”.        APOIO:        

ATUALIZANDO

SUMMIT TALKS

Com muito carinho, no último dia 28 de maio a Recreio sediou a nova edição do evento SUMMIT TALKS. A experiência adaptou o encontro para o ambiente virtual e foi realmente um grande sucesso.   SUMMIT TALKS são eventos itinerantes, uma extensão da Gramado Summit. Em versões reduzidas, propõe o debate empreendedor para diversas cidades do Brasil, adaptado conforme a realidade econômica de cada município. As versões pockets da Gramado Summit, maior evento de inovação do país, já contou com painelistas como Bruno Tusset (Saipos), Andressa Gallas (Dobra), Edson Mackeenzy (Mentor), Carolina Freitas (Rocket.Chat), Frederico Renner (An Lab), Danillo Sciumbata (OCA), Ana Paula Thesing (BIMachine), Rafael Martins (Share), Greta Paz (Eyxo), Rafael Terra (Fabulosa Ideia) entre outros.  Temas como “Crescimento de Negócios na Era Digital”, “Hubs de Inovação” e “Conteúdo com propósito: por que apostar em redes sociais”, entraram em discussão.    Em decorrência do isolamento social preventivo ao Coronavírus, a empresa optou por adaptar o produto e realizar um encontro digital e gratuito.     O primeiro Talks virtual foi transmitido nas contas do Facebook e do Youtube, de maneira gratuita. O assunto que norteou o encontro foi estratégia de crise e como o posicionamento das marcas influencia o mercado. Participaram do debate o CEO da Warren, Tito Gusmão; o CEO da Dobra, Guilherme Massena; e o CEO da Gramado Summit, Marcus Rossi. O Talks foi patrocinado pelo Instituto Hélice.   Dentro do tema, os painelistas falaram sobre tomada de medidas emergenciais, sobre o modelo home office pós-crise, sobre a importância do comportamento do cliente para a tomada de decisões, sobre como o posicionamento de uma empresa pode alcançar novos públicos ou afastar clientes, medir o sucesso das estratégias e sobre a projeção de crescimento em tempos de crise. Mais uma vez, a geração de jovens liderada por meu amigo Marcus Rossi INOVOU! No mês de Junho teremos mais novidades aqui na Recreio nessa mesma formatação. Fica ligado que logo, logo voltaremos a falar. Ike KoetzPresidência Recreio GramadenseGestão 2018 a 2020

DESTAQUE

CADERNO DE MEDIDAS

Rita Gil, artista consagrada há 35 anos por obras em pintura, desenho, escultura, gravura, colagens, arte têxtil e outras várias formas de expressão artística.  Em sua trajetória, 24 exposições individuais e inúmeras coletivas nacionais e internacionais. Natural de Gramado, nossa cidade é sua maior inspiração. Rita com a mãe, Dona Lourdes GilSua mãe Dona Lourdes Gil, desenvolveu a alta costura dos anos 60 a 90, em Gramado, com muito estilo. “Quando encontrei os moldes e nomes das clientes, visitei o passado das jovens gramadenses e a memória que está ligada à nossa amada Recreio”, conta Rita. O profundo e demorado mergulho nos cadernos de medidas e os pequenos retalhos guardados pela modista da época, abriram as portas para uma incrível viagem no tempo e na vida social gramadense. “Recosntruindo aquela época de anos dourados, cruzei o caderno de medidas da minha mãe com depoimentos, fotos, jornais da época e modelos desenhados especialmente para cada data. Algumas amigas que ainda tinham os vestidos de gala feitos por ela me emprestaram para a ocasião. Percebi que todas as peças eram cuidadosamente costuradas para que cada cliente em especial vivesse um momento incrível. Após dois anos de pesquisa, consegui mostrar isso para meus amigos em uma grande exposição chamada ‘Caderno de Medidas’, em 2018”. Esta exposição proporcionou o encontro emocionado de memórias queridas. “Estudei, recortei e costurei pequenos fragmentos do cotidiano daquelas mulheres fortes que se tornaram ícones vestindo roupas exclusivas da "grife" Lourdes Gil”.   Entre tantos vestidos glamourosos, conta que as faixas de Rainhas coroadas na Recreio, desde a primeira que foi pintada, todas foram feitas por sua mãe. “Faixas em cetins rosa, branco e azul com letras bordadas em feltro enfeitadas com pedrinhas coloridas que eu ajudava a pregar. Adorava o momento de produção das Rainhas”, comenta. “Tive a oportunidade de conhecer a primeira faixa pintada por minha mãe, na casa da Dona Iraci há alguns anos atrás quando pintei a coroação dela na Recreio". “Relaciono o Caderno de Medidas com minha própria identidade na Recreio”. Para o projeto, conta que pesquisou o acervo que restou do incêndio da Recreio e entrevistou todas as clientes que ainda estão entre nós que, com a maior boa vontade recordaram episódios e momentos felizes. “Mandaram fotos e o curioso foi que em todas elas, o cenário era a Recreio. Em uma foto, lembrei que fui manequim para um grande desfile de moda. Muitas gavetinhas abriram-se libertando belas lembranças”.     Sobre os bailes de carnaval infantil, conta que não faltava um. “Adorava as serpentinas coloridas, os confetes e sempre trazia um pacote para casa e fazia outro carnaval. Certa vez, minha tia foi a um baile de carnaval e me presenteou com um artefato carnavalesco, uma lanterna japonesa feita de papel de seda colorido que enfeitava as mesas quando eu tinha uns 7 anos. Lembro que eu abria e fechava com muita delicadeza. Encantada, o tenho até hoje comigo pois assim se guardam momentos. Outro ano ela trouxe uma latinha verde que aspergia perfume e confetes”.     "Quando iniciei o ballet, as aulas eram no antigo Banco do Comércio, onde depois foi a loja do Sr. Osmildo e hoje um centro comercial. No final do ano de 1961 nos apresentamos na Recreio Gramadense. Foi um sucesso, a primeira apresentação das pequenas bailarinas!"   Mais tarde, adolescente, “aos 14 fui ao meu primeiro caranaval noturno com toda a turma, de umas dez meninas, usando vestidos poás de vermelho e branco. A diversão era correr em volta do salão à noite inteira. Também esperávamos a entrada dos blocos com a maior ansiedade. Blocos de fora com rapazes fantasiados, que para nós, pareciam príncipes. Os forasteiros eram recepcionados pelos gramadenses dos Monarcas, Velhinhos e Pra que Dinheiro. Encerrávamos a noite com a música: Esta chegando a hora o dia já vem raiando meu bem...”. Como tantos de sua geração, lembrou-se da Boate da Recreio no andar superior, onde se encontrava o mezanino. “Os embalos de sábado à noite eram todos nesta boate, ninguém tinha dúvidas! Nos anos 70, domingos de tarde tinha matiné... momento ilário na danceteria onde os pré-adolescentes se encontravam e tomavam coca cola”. Quando completou 15 anos, conta que Dona Lourdes perguntou a ela se queria festa ou debut e rapidamente respondeu: “Quero debutar na Recreio! Antes do grande dia,  tivemos aulas de etiqueta com Dona Célia Ribeiro. Livro na cabeça, passos com um pé na frente do outro e muito mais! Sempre acompanhadas da Sílvia, atenta aos eventos sociais. Na ocasião entreguei um ramalhete a nossa orientadora Dona Célia”. “Meu vestido foi o último a ficar pronto, pois minha mãe tinha oito para entregar. Minha entrada oficial para Sociedade foi uma noite inesquecível. Fomos maquiadas e penteadas pela Bernardete. Saímos de uma carruagem enfeitada como princesas para dançar a primeira valsa”. Rita e Dona Lourdes são memórias vivas da nossa sociedade.  “Lembro do globo multifacetado de espelhos que ficava no centro do salão, era mágico! Todas as referências sobre festas, bailes e apresentações foram na Sociedade. Quase não se falava a Recreio, mas sim a Sociedade... hoje tem baile na Sociedade”!      APOIO:          

ATUALIZANDO

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA

Dentre os inúmeros decretos, o período de medidas preventivas do COVID-19 em Gramado já dura 57 dias. Vivemos momentos de pânico, descrédito, angústia, mas o que perdura é a INCERTEZA. Nós do mercado de eventos, acostumados às aglomerações de sorrisos e alegrias estamos buscando a melhor maneira de reduzir os prejuízos de 2020, com eficiência. Artistas, garçons, organizadores, equipes de som, luz e vídeo, fotógrafos, músicos, cozinheiros, seguranças, montadores e higienistas, todos engajados por uma retomada SEGURA.   Ike Koetz e Eliana Wazlawick, Recreio Gramadense   Temos o compromisso de garantir o SUCESSO em um momento especial para noivos, para a menina que comemora 15 anos, para o empreendedor que sobe ao palco e incentiva novos líderes com sua experiência, para o formando que completa a longa jornada de estudos, para quem quer dançar e extravasar durante uma noite inteira como se não houvesse mais segunda feira. Provavelmente os protocolos para eventos serão máscaras, álcool gel, barreiras, tapetes sanitizantes, luvas e higienização constante de utensílios e equipamentos. Temos que ter responsabilidade e acima de tudo, respeito à vida. Cautela na retomada para não termos mais que parar. Aqui na RECREIO estamos em contato frequente com os organizadores e parceiros para juntos formatarmos as adaptações mais seguras para garantir higiene e segurança para todas as pessoas envolvidas nos eventos. Nosso sentimento é de ESPERANÇA de que tudo isso vai passar. A doença assusta, mas a fome também.   Ike KoetzPresidência Recreio GramadenseGestão 2018 a 2020

RELEMBRANDO

A EVOLUÇÃO

Gramado é terra de mulheres fortes, guerreiras e empreendedoras que deixam suas marcas impressas em nossa história. A era das malharias em Gramado começou em 1966, por Annelies Rosenfeldt Bertoluci com as malhas Annerose e Irene Libardi Pretto, em 1972 com a Lucirene, gerando mais empregos e renda.    Centro de Gramado, 1967. Foto Sérgio Bertoja   Na década de 1970 o Plano Diretor limitou a altura das construções e conservou as características da cidade, por muitos anos. A Fearte em 1972 foi um grande evento que durante quase duas décadas chamou a atenção do Brasil para o artesanato. Nesta década nasce o primeiro Café Colonial do país, o Bela Vista. Com o Festival de Cinema em 1973 a imprensa especializada do RJ, SP e América Latina divulgaram Gramado como ótimo destino de lazer, com infraestrutura, hospitalidade, serviços e atrativos turísticos, repleto de belezas naturais. Em 1978, surge o novo órgão da imprensa gaúcha, o Jornal de Gramado.   Baile do Suéter, 1969. Acervo Sociedade Recreio Gramadense   A capacidade empresarial da época destaca A. Peccin, Bezzi e Cia, Calçados Rissi e Ortopé, Chocolate Caseiro Prawer, Planalto e Lugano, Famastil, Imetil Tisott, Gramado Veículos,  Gecon, Guimarães Construções, Hotel Gramado Palace, Ieme Engenharia, Instituto Lodo Terápico, Iogurt PYP, Kurotel, Móveis Masotti, M.C Construção, Óticas Pupila, Hotel Serrano, Hotel Serra Azul, Papucha, Planauto Consórcios, Sapataria Tisott, Sergatur, Serra Grande Construções, Tapearte, Veimec, entre outros.   Bloco Velhinhos Transviados, fundado em 1965. Foto Iraci Casagrande    Os clubes de serviço Rotary, Orbis e Lions que se empenham em trabalhos voluntários pela comunidade foram fundados na Sociedade Recreio, que por muitos anos serviu como sede de suas reuniões, comemorações e grandes convenções.   As primeiras debutantes da Sociedade Recreio Gramadense. Foto Margot Rost   Iniciava uma série de novos comportamentos para as meninas com o primeiro Baile de Debutantes, o aumento nas reuniões sociais e encontros de jovens no clube. E ainda, nas noites invernais, os desfiles no inesquecível Baile do Suéter que premiava os mais belos pulôveres produzidos especialmente para este evento. Blocos de carnaval brilhavam em bailes municipais e desfiles com destaque em escolas de samba.   Monarcas do Ritmo desfilam em Porto Alegre, década de 70. Foto Enoir Zorzanello     Gercy Accorsi, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1963 até 1965. Empresário da indústria moveleira. 1º Baile de Debutantes que foi memorável. Foi eleita Rainha da Sociedade Recreio Gramadense, Valderlei Peccin. Baile das Hortênsias, um sucesso. Construção das lareiras. Ecônomo: Livo Fries. Diretor de Bolão Cláudio Candiago. Baile de Carnaval surgem os Velhinhos Transviados. Eleito Sócio Honorário José Francisco Perini. Conselho Diretor: Heitor Grazziotin, Lindolfo Ruschel, Germando Calvette, Gino Perini.   Maury Pasqual, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1965 até 1967. Comerciante. Baile Cinquentenário com Pequenos Cantores de Gramado. Missa de Ação de Graças com altares evangélico e católico. Torneios de voleibol e bolão, Chá da Solidariedade. 1º Baile do Suéter. Bailes de Carnaval, Debutantes, Bolão, Estudantes, Hortênsias e dos Esportes. Rainha dos Esportes, Mafalda Benetti e Dalcira Oliveira. Rainha dos Estudantes Irene Marli Drecksler. Rainha das Hortênsias Ersy Sturmer. Filiação dos Blocos Carnavalescos Crentes da Folia e Monarcas do Ritmo. Jantares dançantes com “Os Lenheiros”. Reformas e melhorias estruturais.  Fernando Caberlon assume o economato. Boate animada pelo conjunto “Os Primitivos”. Marlene Benetti, eleita Rainha do Bolão. Rainha da Sociedade Arlete Dal Ri. Conselho Diretor: Adilso Frank, Remi Behs, Rolf Rosenfeldt, Alfredo Radke, Euzébio Balzaretti.   Rugart W. Volk, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1967 até 1969. Empresário calçadista. Animados bailes de Bolão, Carnaval, do Suéter e de Debutantes. Neiva Muller Rainha da Sociedade Recreio Gramadense. Fundação do Orbis Clube e Lions Clube. Aquisição do novo mobiliário e aplaine das canchas de bolão. Show Agnaldo Rayol. Diretor de Bolão Ilso Tomazelli. Torneios de futebol de salão de bolão, com participação em campeonatos estaduais. Miss Suéter, Arlete Bertoluci. Conselho Diretor: Nailor Balzaretti, Osmar Accorsi, Aquilino Libardi, Erni Giacometti, Lauro Zinke, Eduardo Bisol, Edo de Fries.   Hugo Daros, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1969 até 1971. Professor e tabelião. Bailes de Carnaval, Hortênsias, Debutantes. Baile do Suéter com cobertura da imprensa nacional. Obras das canchas de futebol de salão, vôlei e basquete. Reuniões com o Comércio e Indústria por fiscais do I.P.I, Operação Bandeirante. 1º Festival da cerveja em parceria com clube Minuano visando congraçamento social. Surge o bloco carnavalesco Jegra. Conselho Diretor: Jaime Schaumlöeffel, Remi Behs, Eduardo A. Bisol, Danglar Libardi.   Euzébio Balzaretti, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1971 até 1975. Empresário calçadista. Baile de Debutantes organizado pelo Lions Clube. Baile do Suéter, com muito sucesso. Construção de novas canchas de bolão.  Três noitadas carnavalescas. Nasce o Diz Meu Cafezinho. Boate da Recreio muito frequentada com festas semanais, além de aniversários  e casamentos. Criaram a taxa de construção. Diretor de Bolão Nelson Benetti. Jubileu de Ouro dos blocos de bolão Combate e Tuyuty. Ana Beatriz Sartori coroada Rainha das Hortênsias. Conselho Diretor: Benoni Moraes, Juarez Bordin, Adilso Frank, Edo de Fries.   Elli Soares de Oliveira, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1975 até 1977. Comerciante e hoteleiro. Baile de Debutantes com a participação de meninas representando clubes de outras cidades. Sucesso no Baile de Carnaval. Surge o Quis um Gole. Grandes disputas nos torneios de bolão. Diretoria cautelosa que colocou as contas do clube em dia, com crescimento de patrimônio e aumento do número de sócios. Suzette Dienstmann coroada rainha na Festa das Hortênsias. Conselho Diretor: Danglar Libardi, Francisco Valentini, Serillo Kappes, Ivo Sippel, Euzébio Balzaretti, Eddi Oaigen, João Pedro Till.   Eddi Oaigen, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1977 até 1979. Industrialista gráfico e gerente bancário. Tradicional e luxuoso Baile de Debutantes. Festa de encerramento do Festival de Cinema com coquetel de queijos e vinhos. Baile de 63 anos do clube. Aulas de Karatê, frequentadas por atletas da comunidade. Baile da Fearte. Inauguração do Bar da Sacada. Baile de Reveillon e de Carnaval. Diretoria de grandes iniciativas e promoções para juventude. Conselho Diretor: Luiz Antônio Barbacovi, Carlos Tomazelli, Lauri Arnold, Ivo Sippel, Clarindo Tisott, Carmo H. Henzel, Luciano Peccin.   Irdilo Pizzolotto, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1979 até 1981. Cirurgião dentista. Tratativas sobre projeto ginásio de esportes. Fundação do bloco de bolão Os Gramadenses, formado por casais. Solvino Berti assume economato e em seguida Paulo Veeck. Curso de Etiqueta Social ministrado pela Miss Universo Ieda M. Vargas para as Debutantes.  Baile da Fearte realizado pelo Orbis Clube de Gramado. 1º Baile dos Artistas, Baile da Primavera e Noite da Seresta. Festa de comemoração aos 25 anos de Gramado. Criado Departamento Cultural com posse de Geraldo Kleine e Departamento Infantil dirigido por Marta Rossi e em seguida Neusa Silveira.  Conselho Diretor: Luiz F. Boesche, Gilberto Drecksler, Renato Bazei, Clésio Tisott, Hélio Corrêa, Flávio Koetz.   Martin Volk, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1981 até 1983. Industrial calçadista. Inauguração da cancha de bocha. Ecônomo Wilson Pereira. Reformas no prédio que se encontra em situação precária. Piso de madeira das canchas de bolão substituído por pedra. Saunas “Seca e Úmida”, com duchas, salas de repouso e massagem. Baile de Debutantes com “Moinho Holandês”. Recorde de blocos de fora no Baile de Carnaval, animado pela banda de Egídio Michaelsen com Délcio Tavares. Na época, muitos jovens associaram-se. Conselho Diretor: Itiberê Pasqual, Clarindo Tissot, Flávio Koetz, Danglar Libardi, Ilso Tomazelli, Osmar Accorsi.   Gentil Tissot, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1983 até 1985. Empresário industrial de ferramentas e hotelaria. Bailes tradicionais de sucesso como Reveillon, Carnaval e Festa das Hortênsias.  Karen Muller coroada Rainha das Hortênsias. Programação social para debutantes com belíssimo baile. Aniversário do Clube com Francisco Petronius. Adotado o sistema de apresentação de “Carteiras Sociais” para identificação. Show com “Os Serranos”. 1º Baile Ronda Nativa que superou expectativas. Livro Ouro de arrecadação junto às empresas do município com resultado aplicado às reformas necessárias. Conselho Diretor: Airton Fleck, João M. Zorzi, Waldemar Zortéa, Roque da Silva, Pedro Henrique Benetti, Flávio Koetz, Gilberto Perini, Irineu Dinnebier, Pedro Andreis, Álvaro Masotti, José C. Silveira e Luiz Oaigen.   Pedro Henrique Benetti, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense,1985 até 1987. Arquiteto e urbanista. Jantares baile, iniciando mais cedo. Ana Paula Sartori eleita Rainha das Hortênsias. 2º Ronda Nativa com CTG Manotaço. 1º Gramado Fest, com folclore alemão. Tradicionais bailes de Debutantes, Reveillon e Carnaval. Escrutínios. Reformas e melhorias estruturais. 1ª secretária contratada Eliana Wazlawick. Conselho Diretor: Gilberto Michaelsen, Clésio Tisott e Jorge Ribas, Winfried Volk, Jonis Bordin, Luiz Emílio Bezzi, Waldemar Zortéa.   Décio Caldas, Presidente da Sociedade Recreio Gramadense, 1987 até 1989.   Empresário automotivo. Corpo de Bombeiros ocupa os fundos do clube.  Estudos para construção de Sede Campestre. Destaque para prática de Karatê. 2º Gramado Fest, Baile da Noite Italiana, 3º Ronda Nativa. Rodízio das noites de Carnaval, com Minuano e Tênis Clube. Festividades do Gramado Moda Malhas. Preparação para o Baile de Debutantes envolvendo palestras, cursos e coquetéis. Conselho Diretor: Ricardo Peccin, Alemir Coletto, Paulo Ghisleni, Elocy Sobreiro, Luiz Emílio Bezzi, Hélio Corrêa, Paulo Oaigen, Irajá Poti Castilhos. Desafios existiram em todas as épocas em diferentes circunstâncias e intensidade. A parceria com a comunidade é o que sempre fez a diferença. Seguiremos contando nas próximas edições.      APOIO: